Pela Justiça, sindicato reintegra metalúrgico na Tenaris Confab

Empresa não respeitou o direito de José Francisco (Fábrica 4) pelas sequelas do trabalho. Essa foi a 4ª reintegração na Tenaris apenas no atual mandato

Ao centro, com a ordem judicial nas mãos, José Francisco de Oliveira, junto ao advogado trabalhista do sindicato e dirigentes sindicais

Ao centro, com a ordem judicial nas mãos, José Francisco de Oliveira, junto ao advogado trabalhista do sindicato e dirigentes sindicais

O Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT conseguiu na Justiça do Trabalho a reintegração de mais um funcionário na Tenaris Confab – a quarta, apenas no atual mandato. A ordem judicial foi cumprida nessa quarta-feira, dia 3.

José Francisco de Oliveira, 42 anos de idade e cinco de fábrica, é inspetor de qualidade no setor Fábrica 4 da unidade Tubos. Ele tem seis pinos na coluna e sequelas nos dois ombros em função da atividade feita dentro da fábrica. Essa relação entre a lesão e o trabalho já é reconhecida pelo INSS desde 2013 e mesmo tendo estabilidade de emprego pela Convenção Coletiva de Trabalho, ele foi demitido em outubro passado.

José Francisco de Oliveira, inspetor de qualidade na Fábrica 4

José Francisco de Oliveira, inspetor de qualidade na Fábrica 4

“O posto onde eu trabalho não tem ergonomia nenhuma. Você imagina um cara com 1,90m fazendo inspeção numa plataforma a 45 cm do chão. Eu cheguei a dar sugestões, mas peão não tem voz ativa. Também fiz excesso de esforço físico pra trocar o ferramental da máquina, porque uma melhoria no setor ainda não tinha sido feita”, disse José.

Segundo o secretário de Assuntos Jurídicos do sindicato, Célio da Silva – Celinho, as cobranças do sindicato para reverter a demissão também foram ignoradas pela direção da Tenaris Confab. “Ela sempre quer fazer o que é mais viável pra ela. Joga a responsabilidade nas costas do trabalhador e ele que busque na Justiça. Nós, como sindicato, lutamos pra garantir esse direito e, felizmente, temos conseguido eficácia em nossas ações”, disse Celinho.

Apenas no atual mandato, essa é a quarta reintegração judicial a ações movidas pelo Departamento Jurídico do sindicato nas unidades da Tenaris.