Trabalhadores da Incomisa aprovam acordo que evita demissões em massa

Acordo evitou as 120 demissões que eram esperadas e prevê garantia de emprego para todos os trabalhadores enquanto durar a redução de jornada

Categoria aprova por unanimidade proposta negociada pelo sindicato para evitar demissão de 120 funcionários

Categoria aprova por unanimidade proposta negociada pelo sindicato para evitar demissão de 120 funcionários

Os trabalhadores da Incomisa aprovaram por unanimidade na tarde dessa quinta-feira, dia 14, o acordo que põe fim a ameaça de demissões em massa na unidade. Segundo a direção da fábrica, dos 320 funcionários, 120 seriam excedentes.

Inicialmente, a empresa tinha intenção de reduzir jornadas e salários em 25%. Com o avanço das negociações, a direção do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT conseguiu que essa redução caísse para 15% e que um limite fosse estipulado. A redução só irá ocorrer para quem recebe salário acima de R$ 3 mil, faixa que já não atinge nenhum funcionário da produção e também parte do setor administrativo.

O dirigente sindical na Incomisa, André Dantis

O dirigente sindical na Incomisa, André Dantis

A redução terá o prazo de três meses, podendo ser renovada por mais três meses. De acordo com o dirigente sindical na Incomisa, André Dantis, durante o período da redução, todos os trabalhadores terão garantia de emprego.

Em contrapartida, o reajuste de 2% nos salários que seria aplicado em fevereiro, conforme definido na Campanha Salarial 2015, foi adiado para agosto.

“Foi difícil chegar em um consenso com a empresa, mas conseguimos encontrar uma saída. Por fim, nem foi necessário entrar no lay-off. Obrigado aos companheiros pela paciência e pela confiança no sindicato nesse período de negociação”, disse André.

A Incomisa emprega cerca de 320 trabalhadores na produção de estruturas metálicas, no distrito industrial do Feital.

Ao microfone, o secretário de Finanças do sindicato, Sérgio da Silva, que também participou das negociações

Ao microfone, o secretário de Finanças do sindicato, Sérgio da Silva, que também participou das negociações