Após paralisação, Martifer vai respeitar a Convenção Coletiva

Protesto dos trabalhadores cobrou pagamento de salário atrasado e o reajuste salarial estipulado pela Convenção

Protesto dos trabalhadores cobrou pagamento de salário atrasado e o reajuste salarial estipulado pela Convenção

Os trabalhadores da Martifer fizeram uma paralisação nessa sexta-feira, dia 6, contra atrasos no pagamento e também pelo aumento salarial.

No pagamento do vale de setembro, a empresa já havia atrasado alguns dias. Este mês, quando os trabalhadores viram que o salário não havia sido pago, decidiram protestar. A empresa também estava relutante em discutir o aumento de salário, mesmo com a Convenção Coletiva de Trabalho já assinada.

Em reunião com o Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT, a empresa afirmou que faria o pagamento do salário ainda nesta sexta. Segundo o secretário-geral, Herivelto Moraes – Vela, a empresa também se comprometeu em aplicar o aumento salarial firmado na Convenção.

“A fábrica está em processo de transição. Isso dificulta a negociação, mas não pode ser usado como desculpa para a empresa não respeitar a Convenção. Com a mobilização, conseguimos fazer valer o direito do trabalhador. E se a empresa não cumprir o cronograma que assinou conosco, é greve”, disse.

A Martifer emprega cerca de 300 funcionários na construção de estruturas metálicas no distrito de Moreira César.

2015_11_06 Martifer.Assembleia que aprovou proposta da Campanha Salarial_8566_1