Trabalhadores da Novelis paralisam produção por 1 hora pela Campanha Salarial

Trabalhadores reprovaram nova jornada que seria prejudicial para a categoria e cobraram mais efetivo na produção

Trabalhadores reprovam por unanimidade proposta de jornada que seria prejudicial aos trabalhadores

Trabalhadores reprovam por unanimidade proposta de jornada que seria prejudicial aos trabalhadores

Os trabalhadores da Novelis fizeram uma paralisação de uma hora nessa quinta-feira, dia 11, para cobrar avanço nas negociações da Campanha Salarial.

As rodadas de negociação pela FEM-CUT/SP (Federação dos Sindicatos Metalúrgicos da CUT em São Paulo) junto às bancadas patronais já começaram. A Novelis é ligada ao Grupo 8 (trefilação, laminação, entre outros), mesmo grupo a que pertence a Gerdau e a maioria das fábrica da cidade.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT, Herivelto Moraes – Vela, informou que este ano os patrões apresentaram uma contra-pauta para os trabalhadores. “O vice-presidente da Fiesp (Benjamin Steinbruch) tem falado publicamente que uma hora de almoço é muito, que pode ser de 15 minutos. Também defende a proposta do negociado sobre o legislado, que praticamente anula a CLT. É com esse tipo de gente que temos que negociar nosso aumento de salário. Então, companheiros, o que temos pela frente é dificuldade. Essa mobilização de vocês hoje é muito importante”, disse Vela.

Segundo o dirigente sindical na Novelis, Sérgio da Silva, ao final do atraso de turno a categoria também reprovou em assembleia, por unanimidade, uma proposta de mudança de jornada que seria prejudicial aos trabalhadores. “Mesmo com produção alta a empresa não aumenta o efetivo para o número adequado, tanto que há trabalhadores com excesso de hora-extra, com folga acumulada e a empresa queria apertar ainda mais a jornada. Os trabalhadores disseram não e nós estamos juntos nessa luta”, disse Sérgio, também secretário de Finanças da entidade.

Na terça-feira, dia 9, também houve uma mobilização pela Campanha Salarial na Gerdau. Este ano o tema é “Sem pato, sem golpe, por mais empregos e direitos”, com os seguintes eixos: Não à terceirização e à perda de direitos; Pela estabilidade e geração de empregos; Valorização dos Pisos; Reposição total da Inflação e aumento real; Jornada de 40 horas semanais.

A Novelis emprega cerca de 1.100 trabalhadores na produção de chapas de alumínio.

Direção sindical durante mobilização pela Campanha Salarial

Direção sindical durante mobilização pela Campanha Salarial