Trabalhadores da Incomisa entram em greve pela Campanha Salarial

Empresa não cumpriu acordo de 2015, quer pagar parcelado pra março, e pagar uma PPR baixa em junho

Assembleia que aprovou por grande maioria greve por salário e PPR

Assembleia que aprovou por grande maioria greve por salário e PPR

Os trabalhadores da Incomisa entraram em greve nessa segunda-feira, dia 24, pela Campanha Salarial. O PPR (Programa de Participação nos Resultados), que não é pago há dois anos, também está na pauta.

A categoria não aceitou a proposta que a empresa apresentou ao Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba após paralisação de duas horas na semana passada para abertura de negociação.

A Incomisa aceita pagar o reajuste da inflação, calculado em 9,62%, mas parte desse valor, de 3,62%, seria pago apenas em março.

Segundo o presidente do sindicato, Heriveto Moraes – Vela, a categoria entrou em greve porque não acredita que a empresa irá cumprir essa promessa, pois ela não cumpriu o acordo do ano passado.

“Parte do reajuste de 2015 ainda não foi pago. Ela diz que vai regularizar, mas joga o desse ano lá pra frente. Na PPR a mesma coisa, a empresa apresentou um valor muito baixo e para pagamento em junho. A categoria sabe como está a produção e não aceita essas condições porque são ruins e porque não acredita mais”, disse Vela.

A correção de problemas na estrutura de cargos e salários e da falta de equiparação salarial também estão na pauta de reivindicações.

Essa é a primeira greve deflagrada na Incomisa, que emprega 320 trabalhadores na fabricação de estruturas metálicas. Ela pertence ao Grupo 8 (Trefilação, Laminação, entre outros), cuja bancada patronal ainda não aceitou pagar o reajuste da inflação.

Os dirigentes sindicais na Incomisa, Rivelino e André

Os dirigentes sindicais na Incomisa, Rivelino e André

Ao microfone, o presidente Herivelto Vela

Ao microfone, o presidente Herivelto Vela