Trabalhadores da Bundy reprovam proposta de PLR

Trabalhadores reprovaram por grande maioria a proposta da direção da empresa para pagamento da PLR

Trabalhadores reprovaram por grande maioria a proposta da direção da empresa para pagamento da PLR

Os trabalhadores da Bundy reprovaram em assembleia na tarde dessa terça-feira, dia 22, a proposta da direção da empresa para pagamento da PLR (Participação nos Lucros e Resultados).

Na semana anterior, a Comissão de PLR e o Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT estiveram reunidos com a direção da empresa, que não aceitou as reivindicações e apresentou uma proposta com aumento de apenas R$ 30 em comparação a 2013.

Ao microfone, o coordenador do Comitê Sindical da Bundy, José Ivanez - "Gato", junto a diretores do sindicato

Ao microfone, o coordenador do Comitê Sindical da Bundy, José Ivanez – “Gato”, junto a diretores do sindicato

Para o dirigente sindical José Ivanez – “Gato”, que também é membro da Comissão de PLR, a proposta está longe do aceitável. “Além de não ter melhorado nada do ano passado, continuam as metas impossíveis. O valor total é R$ 3.800, mas as metas nunca são atingidas e o trabalhador acaba recebendo o valor mínimo garantido, que é mil reais a menos. Sempre brigamos para abaixar as metas e aumentar o valor garantido, e a empresa sempre tenta rebaixar a PLR. Os trabalhadores estão mobilizados e não vão engolir isso”, disse.

As faltas com atestado médico também provocam prejuízos no valor, o que está errado na avaliação do sindicato, pois em junho de 2013, uma alteração na lei 10.101, que rege a PLR, determinou a retirada de todas as metas referentes à saúde e segurança no trabalho.

O pagamento da primeira parcela da PLR está programado para junho.

Além de Gato, o dirigente sindical Antonio Moreira – “Toninho” também é membro da Comissão de PLR. O dirigente Francisco – “Barba”, representa o sindicato na comissão.