Trabalhadores da Appiani ameaçam greve para cobrar regularização da fábrica

Direção da empresa nem sabe quanto deve de FGTS

Assembleia aprovou entrega do comunicado de greve se empresa não apresentar plano de pagamento

Os trabalhadores da Appiani Steel (antiga Martifer) aprovaram em assembleia nessa quinta-feira, dia 1º de fevereiro, a entrega de um comunicado de greve, caso a empresa não apresente nenhum plano para regularização do FGTS, convênio médico e outras questões.

A Appiani está em recuperação judicial desde o começo de 2016, o FGTS está atrasado desde maio de 2015. No final do ano passado, o Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba teve que realizar protestos contra atrasos de salário.

Hoje os salários estão em dia, mas a empresa sequer sabe quanto deve de FGTS. Segundo o secretário geral do sindicato, Luciano da Silva – Tremembé, a empresa prometeu apresentar um levantamento dessa dívida na próxima reunião de segunda-feira, dia 5.

“Faz tempo que a gente cobra da empresa e ela não apresenta nenhum plano para regularizar, nem fala de prazo. E produção aumentando, já tem algumas contratações ocorrendo, quem saiu não recebeu, quem entra também fica irregular e assim isso não vai parar nunca”, disse.

O secretário geral Luciano da Silva – Tremembé

Ainda segundo Tremembé, o convênio médico é outro problema. “Se o convênio foi cortado, como é que ainda tem tantos trabalhadores reclamando que continua tendo o desconto do convênio. Não são erros pontuais.”

A Appiani emprega cerca de 200 trabalhadores na fabricação de estruturas metálicas.

Recuperação Judicial

Cerca de 180 ex-funcionários ainda não receberam suas rescisões trabalhistas da Appiani Steel. Segundo trabalhadores, a última audiência da recuperação judicial ocorreu dia 11 de outubro do ano passado, quando foi prorrogada por mais 120 dias. Pelas contas, uma nova audiência deve ocorrer dentro deste mês.

Ao microfone, o dirigente Vicente Caetano – Serrinha