Sindicato dos Metalúrgicos conquista reintegração na Socotherm

O advogado do sindicato Alison Montoani, o funcionário reintegrado José Rodrigo e os sindicalistas Celinho e Carlos Alberto – “Betinho”, da Alutent

O advogado do sindicato Alison Montoani, o funcionário reintegrado José Rodrigo e os sindicalistas Celinho e Carlos Alberto – “Betinho”, da Alutent

O funcionário José Rodrigo Vieira Correa foi reintegrado nessa quinta-feira, dia 5, na Socotherm Brasil, empresa do grupo Tenaris Confab. O retorno dele ocorreu com decisão da Justiça do Trabalho a uma ação movida pelo Departamento Jurídico do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT/SP.

Rodrigo é operador de carros industriais no pátio. Com sete anos de fábrica, ele havia sido dispensado em fevereiro de 2012. Na época, estava com cirurgia marcada para corrigir problemas de bursite, tendinopatia e derrame no ombro.

Ao lado do advogado trabalhista do sindicato, Alison Montoani, José Rodrigo mostra a decisão da Justiça que determina o seu retorno à fábrica

Ao lado do advogado trabalhista do sindicato, Alison Montoani, José Rodrigo mostra a decisão da Justiça que determina o seu retorno à fábrica

“A empresa já sabia da minha cirurgia. Aparentemente, foi por isso que me demitiu. É importante mostrar que vale a pena correr atrás dos nossos direitos e que não é sempre a empresa que manda e ponto final”, disse Rodrigo.

Segundo o dirigente sindical da Socotherm Célio da Silva – “Celinho”, a reintegração é resultado de uma ação conjunta da diretoria de base do sindicato com o departamento jurídico. “Se não tivesse ação rápida do sindicato em orientar esse trabalhador e tomar as medidas necessárias, ele estaria desempregado e não conseguiria entrar em outra fábrica por causa da lesão.”

 

Prática. De acordo com Celinho, que também é secretário de Assuntos Jurídicos do sindicato, demissões irregulares já se tornaram uma prática da empresa. Desde 2012, início dessa gestão do sindicato, já ocorreram sete reintegrações com determinação judicial, três delas só no grupo Tenaris Confab.

“Normalmente, o funcionário que tem algum problema de saúde e não se afasta, a empresa já procura demití-lo pra que ele não comprove a ligação da doença com o trabalho. Essa manobra já fica na ponta da agulha.”

Segundo ele, mais uma demissão irregular ocorreu no último dia 3. “Um funcionário procurou o médico da empresa com dores nos ombros. A empresa não pensou duas vezes. Quando saiu da enfermaria sua demissão já estava pronta.”