Sede da FEM e CNM/CUT sofre atentado em São Bernardo do Campo

“Ataque às nossas entidades não vão nos intimidar”, afirmam presidentes

Sede da FEM e CNM-CUT, em São Bernardo do Campo foi alvo de atentado na noite desta quarta-feira (25) e teve sua fachada destruída (foto Divulgação)

Sede da FEM e CNM-CUT, em São Bernardo do Campo foi alvo de atentado na noite desta quarta-feira (25) e teve sua fachada destruída (foto Divulgação)

A sede da CNM/CUT (Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT) e da FEM-CUT/SP (Federação dos Metalúrgicos da CUT/SP) foi atacada por volta das 23 horas dessa quarta-feira, dia 25. O prédio que abriga as duas entidades fica na avenida Antártico, 480 (Jardim do Mar), em São Bernardo do Campo.

Em nota oficial conjunta, os presidentes da CNM/CUT, Paulo Cayres, e da FEM-CUT/SP, Luiz Carlos da Silva Dias, condenaram o atentado à sede das duas entidades.

O presidente da CNM, Paulo Cayres, e o presidente da FEM, Luizão

O presidente da CNM, Paulo Cayres, e o presidente da FEM, Luizão

Leia na íntegra:

Temos assistido, nos últimos tempos, a vários ataques covardes contra instituições que prezam pela democracia no país. Estes atentados foram praticados por típicos terroristas covardes. Este ano, já foi assim contra a sede do Instituto Lula e algumas sedes do Partido dos Trabalhadores, em São Paulo.

Agora o ataque foi contra entidades de classe, cujo único “mal” que fazem é defender de forma intransigente os interesses e os direitos da classe trabalhadora.

Não sabemos quem são os autores nem vamos conjecturar a respeito, mas queremos dizer que esse ato não ficará impune e também que não permitiremos que o ódio e a intolerância freiem nossa luta. Não vamos recuar, porque já estamos vencendo o que nos intimidava e reinava no Brasil: a fome e a pobreza.

Este tipo de ataque nos dá mais energia para lutar contra esse ódio e a intolerância de setores retrógrados e que estão, também, sendo estimulados pela mídia conservadora em nosso país. E deixa mais que evidente a necessidade de nossa unidade de classe, para defender as conquistas da classe trabalhadora, a democracia e suas instituições.

Contra o golpismo, o ódio, a violência e o retrocesso, seguiremos em frente!
Paulo Cayres – presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT

Luiz Carlos da Silva Dias – presidente da Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT/SP