Protesto na Elfer denuncia demissão de metalúrgico acidentado e falta de segurança

Assembleia aprova entrega do comunicado de greve contra demissão arbitrária e falta de segurança (foto Carlos Cabral)

Assembleia aprova entrega do comunicado de greve contra demissão arbitrária e falta de segurança (foto Carlos Cabral)

Os trabalhadores da Elfer fizeram uma paralisação nessa quarta-feira, dia 17, e aprovaram a entrega do comunicado de greve à fábrica pela falta de segurança e pela insistência da empresa em uma demissão irregular.

Apenas este ano, três graves acidentes ocorreram na Elfer e este mês a empresa demitiu um funcionário acidentado que há seis anos sofre com sequela em uma das mãos e pela Convenção Coletiva de Trabalho não poderia ser demitido.

Apesar das cobranças do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT, a direção da Elfer manteve a demissão irregular, chamada no meio sindical de “arbitrária”. O Departamento Jurídico do sindicato está movendo ação judicial de reintegração para ele.

Para o secretário de Comunicação da entidade, Benedito Irineu, a direção da Elfer não se preocupa com segurança.

“Além de permitir que situações de risco continuem acontecendo no chão de fábrica, a empresa não respeita a lei que ampara aqueles que já sofreram com esse descaso. Isso está inclusive preocupando outros funcionários acidentados e até os membros da Cipa”, disse.

O sindicato também critica o fato da Elfer ter demitido alguns trabalhadores com férias vencidas ao invés de tentar manter esses postos e cobra abertura de negociação.

A Elfer emprega cerca de 70 trabalhadores na oferta de serviços e fabricação de peças em alumínio no bairro Feital.