Pinda tem 700 metalúrgicos afastados por doenças do trabalho

Em audiência pública – uma das maiores do ano – sindicato propõe alterações na lei de incentivo para instalação de novas indústrias

Audiência pública foi uma das maiores do ano, com 200 pessoas, assim como as de Saúde e Transporte Públicos

Audiência pública foi uma das maiores do ano, com 200 pessoas, assim como as de Saúde e Transporte Públicos

Pindamonhangaba tem cerca de 700 metalúrgicos afastados em função de algum acidente ou doença do trabalho, segundo dados apresentados em audiência pública nessa quarta-feira, dia 23, na Câmara de Vereadores.

A audiência com o tema “Meio Ambiente do Trabalho nas Indústrias de Pindamonhangaba” reuniu cerca de 200 pessoas, um dos maiores públicos do ano, assim como as audiências sobre Segurança e Transporte Públicos.

GALERIA DE FOTOS

Segundo o presidente interino do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT, Romeu Martins, o número de 700 pessoas lesionadas representa 7% de toda a categoria. “É um número extremamente alto. O pior é que não vemos esforço das empresas em mudar essa realidade, muitas vezes elas nem respeitam as leis que protegem quem sofre acidente”, disse.

A sessão foi presidida pelo vereador Professor Osvaldo Macedo (PMDB), que citou a demanda que isso acarreta ao setor público. “Temos empresas com maquinário da época da Segunda Guerra Mundial que estão sequelando nossos munícipes. Temos uma saúde no município extremamente deficitária, e entram esses trabalhadores que a indústria deveria ter protegido, sobrecarregando o sistema de saúde e o sistema previdenciário.”

Ao microfone, Professor Osvaldo, junto a representantes de vários setores da sociedade, que definiram ações para continuar discussão do tema

Ao microfone, Professor Osvaldo, junto a representantes de vários setores da sociedade, que definiram ações para continuar discussão do tema

Como alternativa para reverter esse quadro, o sindicato propôs alterações na lei de incentivo para instalação de novas indústrias. “Para conseguir a isenção de impostos, as empresas deveriam dar uma contrapartida maior ao município, uma delas deveria ser o compromisso de evitar acidentes. Acreditamos que poderia haver uma tabela com regras para dar essa isenção, similar ao FAP-Fator Acidentário de Prevenção”, disse Benedito Irineu, secretário de Comunicação do sindicato.

Vários trabalhadores e alunos de cursos de Segurança do Trabalho também expuseram suas dificuldades. A maioria delas era relacionada ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), que não esteve presente na audiência. Apesar dessa ausência, as reclamações foram registradas e serão encaminhadas à Prefeitura para que seja possível cobrar respostas do INSS.

A audiência contou representantes do Ministério Público do Trabalho, OAB, Prefeitura Municipal, Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador), do Colégio Comercial Dr. João Romeiro e participação do vereador Carlos Moura – Magrão (PPS). Um relatório da audiência também será enviado às autoridades.