Paralisação na Novelis protesta contra reajuste menor que a inflação

Protesto criticou reajuste de 6% anunciado pela empresa e injustiça na demissão de operadores

Trabalhadores pararam produção por uma hora para cobrar avanço na Campanha Salarial

Trabalhadores pararam produção por uma hora para cobrar avanço na Campanha Salarial

Os trabalhadores da Novelis paralisaram a produção por uma hora nessa quarta-feira, dia 21, para pressionar os patrões pela Campanha Salarial.

Sem qualquer negociação com o Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba, a direção da Novelis comunicou essa semana que irá aplicar 6% de reajuste. O índice não cobre as perdas salarias da inflação, que fechou em 9,62%, segundo cálculo do INPC dos últimos 12 meses.

O presidente da FEM-CUT/SP (Federação dos Sindicatos Metalúrgicos da CUT no Estado de São Paulo), Luiz Carlos da Silva Dias, o “Luizão”, participou do protesto e classificou a medida como manobra para prejudicar as negociações.

“Aplicou de forma equivocada. Isso é uma forma de desmobilizar pra que o trabalhador não vá fazer nenhum movimento em razão daquilo que de fato ele merece”, disse.

O presidente da FEM-CUT/SP, Luiz Carlos Dias, veia a Pinda exclusivamente para participar do ato; logo em seguida já retornou para São Paulo para rodadas de negociação

O presidente da FEM-CUT/SP, Luiz Carlos Dias, veia a Pinda exclusivamente para participar do ato; logo em seguida já retornou para São Paulo para rodadas de negociação

No mesmo comunicado, a Novelis afirma que depois irá pagar o restante do reajuste do que for definido nas negociações entre as bancadas patronais e a FEM-CUT/SP. Para Luizão, porém, a postura da empresa tem sido para que não haja o reajuste completo.

“O grupo de sindicatos patronais do qual a Novelis faz parte é o que mais defende a flexibilização das leis trabalhistas. Estão tentando fragmentar as férias. A Novelis deveria pressionar o sindicato dela pra resolver o reajuste, mas não é isso que ela faz, ela chega lá em São Paulo e fala pra não dar mais nada. Por isso precisa ter pressão aqui na fábrica.”

O ato também protestou contra a demissão de dois operadores por conta de um incidente causado pelas más condições de trabalho, como a falta de empilhadeira de giro, com vazamentos, buracos no piso, desnível, atividade simultânea, irregularidades antigas e já conhecidas pela coordenação do setor de Reciclagem.

A Novelis faz parte do Grupo 8 (Laminação e Trefilação) e emprega cerca de 1.100 trabalhadores na produção de chapas de alumínio.

Luciano - Tremembé, Odirley, Vela, Sérgio e o coordenador da subsede da CUT no Vale do Paraíba, Otávio Batista

Luciano – Tremembé, Odirley, Vela, Sérgio e o coordenador da subsede da CUT no Vale do Paraíba, Otávio Batista

2016_09_21 Novelis.Paralisação Campanha Salarial_4904