Paralisação na Novelis cobra aumento real de salário

Renovação da Convenção Coletiva de Trabalho também é reivindicada pela categoria

Mais uma paralisação pela Campanha Salarial na Novelis, novamente com forte adesão dos trabalhadores

Mais uma paralisação pela Campanha Salarial na Novelis, novamente com forte adesão dos trabalhadores

Os trabalhadores da Novelis fizeram nessa terça-feira, dia 17, mais uma paralisação pela Campanha Salarial.

Outro protesto já havia ocorrido no final de setembro para pressionar a direção da Novelis e do Sindicel, representante patronal da Novelis na Fiesp.

No último dia 11, a Novelis emitiu um comunicado afirmando que irá aplicar o reajuste da inflação, de 1,73%. A medida foi vista como manobra pela direção do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba. Segundo o secretário de Finanças, Sérgio da Silva, a reivindicação da categoria é de 4% de aumento e a renovação da CCT – Convenção Coletiva de Trabalho.

“O que tem hoje é 1,73%, que ela fez só pra desmobilizar. Não tem mais nada. É só o desmanche dos direitos trabalhistas. Pra resolver, é cruzar o braço. Porque a coisa só vai piorar. A fábrica fala que a reforma (trabalhista) não vai mudar nada. Se não vai mudar, porque foi tão difícil passar isso lá em Brasília? Por que teve que colocar um golpista pra fazer isso, pra vender os direitos?”, disse Sérgio, sindicalista na Novelis.

Além do aumento de salário, a FEM-CUT/SP (Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT em São Paulo) reivindica junto aos sindicatos patronais a renovação da CCT e a inclusão da cláusula de “salvaguarda”, que estipula negociação prévia para as questões da Reforma Trabalhista.

Sérgio da Silva, dirigente sindical na Novelis e secretário de Finanças do sindicato

Sérgio da Silva, dirigente sindical na Novelis e secretário de Finanças do sindicato

2017_10_17 Novelis.Paralisação pela Campanha Salarial_7091_1

2017_10_17 Novelis.Paralisação pela Campanha Salarial_7087