Paralisação na Gerdau de Pinda cobra ações da empresa para casos de Covid-19

Ato também protestou contra mudanças nos índices de PLR na véspera de pagamento

Paralisação na portaria da fábrica nessa quarta-feira, com distanciamento entre os trabalhadores durante o protesto

Os trabalhadores da fábrica Gerdau em Pindamonhangaba fizeram uma paralisação na manhã dessa quarta-feira, dia 22, para cobrar mais ações por parte da empresa nos casos confirmados de Covid-19 e por problemas na PLR (Participação nos Lucros e Resultados).

Os funcionários estavam com máscara e mantiveram o distanciamento durante o protesto. O Sindicato dos Metalúrgicos alega que tem cobrado da direção da empresa que seja comunicado aos trabalhadores a existência dos casos, como consta recomendação em protocolo do Governo do Estado de SP.

O sindicato recebeu denúncias de que há pelo menos quatro casos na fábrica, um no setor de Construção Mecânica e três no setor de Cilindros. Em um dos casos o trabalhador passou mal dentro de uma cabine da forjaria. Ele foi afastado e constatado com Covid-19.

De acordo com o presidente do sindicato, André Oliveira, os trabalhadores não foram comunicados, não foi feita desinfecção da área nem testagem nos funcionários que ficam próximo a esse trabalhador, assim como nos demais casos.

“A fábrica tem omitido informação aos trabalhadores. O funcionário tem que saber que na área dele teve caso confirmado. A testagem tem o período certo, mas é importante fazer. São pessoas com potencial de ter contraído a doença e que podem não apresentar sintomas”, disse.

Outra questão do protesto foi a PLR. Segundo o sindicato, os trabalhadores vinham acompanhando o alcance das metas pelo sistema durante o ano e na véspera do pagamento, que ocorreu nessa quarta-feira, os índices da Construção Mecânica tiveram uma quebra brusca.

A Gerdau atua no ramo do aço, emprega cerca de 2.000 funcionários.