Metalúrgicos da GV do Brasil fazem a primeira paralisação, de três horas, por mais segurança e convênio médico

Em apenas quatro meses de produção, três explosões nos fornos já ocorreram, além de vários atos inseguros por parte da chefia; funcionários ainda não têm convênio médico nem transporte

Assembleia aprovou pauta de reivindicações, que inclui melhorias na segurança e a implantação de um plano médico

Assembleia aprovou pauta de reivindicações, que inclui melhorias na segurança e a implantação de um plano médico

Os trabalhadores da nova siderúrgica GV do Brasil fizeram nesta terça-feira, dia 26, a primeira paralisação da fábrica, que durou três horas, para protestar contra problemas na segurança e reivindicar um plano médico. Uma assembleia aprovou a pauta de negociação, que também cobra transporte coletivo, correções de cargos e salários, entre outros itens.

A fábrica conta hoje com 280 funcionários. Em maio foi iniciada a fase de testes e a produção efetiva começou há quatro meses, principalmente na fabricação de vergalhões para a construção civil.

O secretário geral do sindicato, Herivelto Vela, que há meses tem cobrado atitude por parte da empresa

O secretário geral do sindicato, Herivelto Vela, que há meses tem cobrado atitude por parte da empresa

O que motivou o protesto, que iniciou às 5h30, foi a falta de resposta da empresa às reivindicações do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT. Segundo o secretário geral Herivelto Moraes – Vela, em pouco tempo de atividade, já ocorreram três explosões por reação química nos fornos da Aciaria e vários atos inseguros por parte da chefia foram registrados.

“Carregam o forno sem fazer inspeção prévia. Mandam forneiro tirar sucata com forno ligado. Por Deus, o pior não ocorreu. São coisas que temos cobrado há meses e a empresa ainda não deu a devida importância”, disse Vela.

A falta do plano médico também tem sido muito cobrada pelo sindicato, segundo o presidente Renato Mamão. “Uma siderúrgica não ter condições de oferecer um convênio médico não dá pra acreditar. Agora os trabalhadores estão mobilizados, aprovaram em assembleia as reivindicações e um prazo para que a empresa responda a elas”, disse.

Ao microfone, o presidente Renato Mamão

Ao microfone, o presidente Renato Mamão

Paralisação começou cedo, logo às 5h30

Paralisação começou cedo, logo às 5h30

No tempo que o sindicato ficou na portaria, vários caminhões foram levar sucata e carregar material

No tempo que o sindicato ficou na portaria, vários caminhões foram levar sucata e carregar material