Luizão é o novo presidente da FEM-CUT/SP

Marcelo – Pepeo, José Carlos e Maria Auxiliadora são os novos representantes do sindicato na Federação

Luizão e Biro-Biro (Crédito: Torres Foto e Vídeo)

Luizão e Biro-Biro (Crédito: Torres Foto e Vídeo)

O metalúrgico no ABC Paulista, trabalhador na Volkswagen, Luiz Carlos da Silva Dias, mais conhecido como Luizão, foi eleito presidente da FEM-CUT/SP na noite de quarta-feira (18) por cerca de 200 delegados e delegadas do 7º Congresso Estadual da entidade, que acontece em Campinas e termina na sexta-feira.

O companheiro Luizão sucederá Valmir Marques da Silva, Biro-Biro, que presidiu a Federação por dois mandatos, no período de 2007 a 2015.

A nova gestão teve uma ampla renovação, com o aumento da participação de dirigentes metalúrgicas.

Também foram empossados os novos representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba na federação. Marcelo Bitencourt Nogueira – Pepeo, sindicalista na Novelis, foi eleito para integrar a direção executiva como Secretário de Saúde do Trabalhador e Meio Ambiente; José Carlos dos Santos, da Gerdau, para suplente da executiva; e Maria Auxiliadora, da Confab Tubos, como membro efetivo do Conselho Fiscal.

José Carlos, Maria Auxiliadora e Marcelo Pepeo, novos representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Pinda na federação (Crédito Divulgação)

José Carlos, Maria Auxiliadora e Marcelo Pepeo, novos representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Pinda na federação (Crédito Divulgação)

Veja aqui a relação completa da nova direção

O presidente da CUT/SP, trabalhador na Mercedes Benz e ex-presidente da FEM, Adi dos Santos Lima, fez a solenidade de posse e relembrou os 23 anos de fundação da Federação Metalúrgica cutista. “A FEM cresceu fazendo política. O seu reconhecimento jurídico, conquistado com a ajuda do Dr. Oliveira, foi importante porque nos deu legitimidade. Não podemos perder o reconhecimento político, a nossa Federação é respeitada porque tem responsabilidades e nunca fugiu delas”, salienta.

Adi parabenizou Biro-Biro, afirmando que ele comandou com “maestria” a FEM nos últimos oito anos. “Biro você sempre foi fiel aos nossos princípios e à nossa concepção e prática sindical. Esse trabalho foi construído pela sua gestão formada por homens e mulheres”, explicou.

Conjuntura adversa

Durante o discurso, o presidente da CUT/SP frisou que a nova Direção da FEM assume em momento adverso da conjuntura brasileira, no qual setores conservadores da sociedade tentam um golpe contra a democracia, tentando implementar a agenda derrotada nas urnas, que conta com o apoio de vários meios de comunicação. “O nosso capitão, o Luizão, vai precisar do apoio de todos vocês. A FEM deve continuar sendo uma entidade negociadora, propositiva, formadora, organizadora e com poder de mobilização”, salientou.

Biro-Biro desejou sucesso à nova Direção e disse que esta gestão tem uma renovação muito grande e que suas responsabilidades e desafios serão grandes.

Vocação

O novo presidente da FEM-CUT/SP agradeceu o apoio de todos os delegados e delegadas, da família e dos funcionários e assessores da Federação. “Ninguém está aqui por obrigação, mas por vocação. Estamos na luta porque acreditamos nos trabalhadores e trabalhadoras do chão de fábrica”, disse.

Luizão reconheceu que o momento da conjuntura é difícil, mas disse que os metalúrgicos são ousados e criativos e, na Campanha Salarial, vão lutar por aumento real no salário e por melhores condições de trabalho de cabeça erguida. “Não é coincidência, mas as grandes mudanças que o Brasil teve nos últimos anos foram feitas por um metalúrgico do Estado de São Paulo. Temos uma responsabilidade enorme. Não teremos vergonha de usar nossas camisetas e bonés vermelhos. Vamos continuar brigando e unificando os nossos sindicatos do interior”, atesta.

O presidente da Federação salientou que a nova gestão dará ampla atenção aos sindicatos do interior, buscando conhecer as suas realidades para poder ajudar no seu dia a dia.

Luizão também destacou que a nova Direção também dará prioridade à participação das mulheres metalúrgicas nas direções dos sindicatos. “Temos que garantir condições para que nossas dirigentes se mantenham nos sindicatos”, reforçou sob aplausos.

A nova gestão teve uma ampla renovação, com o aumento da participação de dirigentes metalúrgicas (Crédito: Torres Foto e Vídeo)

A nova gestão teve uma ampla renovação, com o aumento da participação de dirigentes metalúrgicas (Crédito: Torres Foto e Vídeo)

Acabar com o Ninho tucano

Luizão disse que a Direção da FEM dará trabalho ao governo do Estado de Saulo. “Não podemos permitir que o nosso Estado passe despercebido desta crise, parece que o Estado de SP não tem governador”, critica.

O sindicalista disse que o governo estadual tem condições de desenvolver políticas que protejam o parque industrial/metalúrgico que, consequentemente, vai proteger e garantir melhores empregos. “Não dá para achar que o Brasil esta em crise e reclamar em Brasília. O Estado de São Paulo tem culpa e tem espaço para produzir. Essa Federação assume o compromisso de acabar com o ninho tucano que existe em SP e fazer um ninho de João de Barro, que é aquele trabalhador que constrói a sua luta”, finaliza.

Histórico

Natural da cidade de São João do Pau D’ Alho/SP, localizada a 680 km da capital, Luizão, que completará 46 anos em 12 de abril, cresceu em Santo André.

No ramo metalúrgico, é trabalhador na VW há 31 anos. Entrou para a luta sindical em 1988, período da redemocratização do Brasil. “Na época, eu já me identificava com o movimento sindical. Não aceitava algumas injustiças que eu via na fábrica, foi então que disputei a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) e fui eleito pelos companheiros”, relembra.

Pai de uma filha, Luizão se define como uma pessoa “curiosa” por história. É formado em técnico de mecânica e em economia do trabalho pelo Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (CESIT) da Unicamp. Também cursou e não concluiu Ciências Sociais, na Fundação Santo André.

No período de 1999 a 2010, atuou na Comissão de Fábrica na Volkswagen, chegando a ser vice-coordenador e foi um dos fundadores do Comitê Nacional dos Trabalhadores na VW, criado em 2005, em Ubatuba.

Na gestão 2011/2015 da FEM-CUT/SP, assumiu a Secretaria de Formação da Federação. Em março deste ano, foi eleito novo presidente da FEM-CUT/SP.

7º Congresso continua nesta quinta

Os trabalhos do 7º Congresso da FEM continuam nesta quinta-feira (19) com a palestra sobre Política Industrial do diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), Clemente Ganz, e o Secretário Geral da CUT Nacional, Sérgio Nobre, falará sobre a importância do Macrossetor da Indústria.

Na parte da tarde, o Secretário de Finanças da CUT Nacional, Quintino Severo, abordará a Sustentação Financeira e o deputado estadual do PT, Teonílio Monteiro da Costa, o Barba, abordará a importância da Organização no Local de Trabalho.

Na sexta-feira (20), último dia do Congresso, outro tema importante é a Democratização dos Meios de Comunicação que será abordado pela companheira Secretária Nacional de Comunicação da CUT, Rosane Bertotti.

Cobertura completa

A coberta completa da atividade das mulheres e as análises de conjuntura nacional e estadual do presidente do Sesi, Gilberto Carvalho, e do ex-deputado, Hamilton Pereira acompanhe no Portal FEM-CUT/SP.

Fonte: Viviane Barbosa, Assessora de Imprensa e Comunicação da FEM-CUT/SP

Votação dos delegados do Congresso (Crédito: Torres Foto e Vídeo)

Votação dos delegados do Congresso (Crédito: Torres Foto e Vídeo)