FEM e G2 debatem jornada de 40h e direitos sociais

Rodada de negociação da Campanha Salarial FEM e G2- crédito: Mídia Consulte

Rodada de negociação da Campanha Salarial FEM e G2- crédito: Mídia Consulte

A Federação dos Sindicatos Metalúrgicos da CUT/SP (FEM-CUT/SP) continuou nesta segunda-feira, dia 26, as rodadas de negociação da Campanha Salarial com as bancadas patronais do Grupo 2 (máquinas e eletrônicos) e da Fundição. Nestes setores, a Federação cutista representa cerca de 80 mil metalúrgicos no Estado.

Na terceira rodada com o G2, o presidente da FEM, Valmir Marques da Silva (Biro Biro) e dirigentes dos sindicatos metalúrgicos filiados debateram a redução na jornada de trabalho de 44h para 40h semanais, sem redução no salário. A reunião aconteceu na sede do Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Estado de São Paulo (Sinaees), na FIESP.

Essa reivindicação faz parte da pauta de reivindicações do ramo metalúrgico cutista há mais de 10 anos. “Propomos a redução de forma paulatina, por exemplo, por ano. Nas montadoras conquistamos essa redução e hoje os metalúrgicos da nossa base do ABC paulista, Taubaté e São Carlos trabalham 40 horas”, explica Biro Biro.

A bancada patronal do G2, coordenada pelo assessor jurídico Fernando Carnavan, manteve resistência com relação à reivindicação, mas disse que levará a proposta para os empresários na próxima assembleia patronal, cuja data será definida.

 

Direitos sociais

Além da jornada de 40h, outros temas debatidos com o G2 foram a ampliação dos direitos sociais. A bancada patronal sinalizou a possibilidade de avançar nas reivindicações da FEM que asseguram a garantia de emprego à mulher em situação de violência doméstica, propondo que a empresa ofereça apoio social. O G2 disse que apresentará propostas de redação para as cláusulas que asseguram garantias aos empregados com dependentes deficientes, aos jovens em idade de serviço militar e ao plano de ascensão profissional para as mulheres.

A bancada patronal também destacou que fará uma redação para a cláusula reivindicada pela Federação que pede função compatível com a condição física da gestante. O G2 propôs avançar desde que incluía nesta cláusula o termo “de acordo com a recomendação médica”.

A Secretária da Mulher da FEM-CUT/SP, Andréa Ferreira Sousa, e a coordenadora da Comissão das Mulheres Metalúrgicas do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Ana Nice Carvalho, disseram que é possível acrescentar esse termo, desde que seja do médico que está cuidando do pré-natal da gestante.

 

Próximas rodadas da FEM-CUT/SP

A Federação e a bancada patronal do G2 continuam a negociação na quinta-feira, dia 29, às 14h30, na sede do Sinaees, na FIESP. Nesta data, a FEM se reunirá com a bancada do Grupo 3, no Sindipeças, em Santo Amaro. Com relação à Fundição, a FEM continua a rodada na próxima sexta-feira, dia 30, às 10h, na sede da entidade patronal, na Avenida Paulista.Também nesta data, acontecerá rodada com o G10, na FIESP.

Nesta terça-feira, 27, a FEM continua a rodada com o Grupo 8, na sede do Sicetel, na parte da manhã. Na quarta-feira, 28, não terão rodadas de negociação.

 

Principais reivindicações da FEM-CUT/SP

As principais reivindicações são a reposição integral da inflação, o aumento real no salário, a valorização nos pisos salariais, a redução da jornada de trabalho, sem redução de salário e a ampliação e unificação de direitos em Convenção Coletiva de Trabalho.

A Campanha Salarial da FEM tem pauta cheia, ou seja, serão negociados com os patrões a renovação, a melhoria e a ampliação das cláusulas econômicas (aumento salarial e pisos) e sociais.

 

Confira a abaixo os setores metalúrgicos da base da FEM em Campanha:

Data-base: 1º de setembro

Grupo 2 (máquinas e eletrônicos)

Total:75.500

Grupo 3 (autopeças, forjaria, parafusos)

Total: 51 mil

Grupo 8 (trefilação, laminação de metais ferrosos; refrigeração, equipamentos ferroviários, rodoviários entre outros)

Total: 36 mil

Grupo 10 (lâmpadas, equipamentos odontológicos, iluminação, material bélico entre outros)

Total: 35 mil

Estamparia

Total: 4.000

Fundição

Total: 4.000

Total: 205,5 mil metalúrgicos em Campanha

 

Fonte: Portal FEM- CUT/SP – Viviane Barbosa – Assessora de Imprensa e Comunicação