DESCASO: Trabalhador da Tenaris faz greve de fome e quase morre na Colômbia

Doente, sem salário, Rubén Montoya chegou a tentar suicídio quando soube que a direção da empresa, mais uma vez, negou seu direito a indenização (Crédito: Divulgação)

Doente, sem salário, Rubén Montoya chegou a tentar suicídio quando soube que a direção da empresa, mais uma vez, negou seu direito a indenização (Crédito: Divulgação)

O metalúrgico Rubén Montoya, da Tenaris na Colômbia, ficou à beira da morte por conta de uma greve de fome em protesto por uma indenização que ele reivindica da empresa e da companhia privada de seguros de risco ocupacional desde que sofreu um sério acidente há mais de dez anos.

Em julho de 2002, um tubo atingiu Rubén na altura do peito quebrando três costelas, ferindo seu pulmão, que hoje funciona parcialmente, e o deixando incapaz de trabalhar. Desde então, ele vive uma rotina de internações hospitalares. Foi reintegrado duas vezes ao trabalho e demitido novamente pela empresa.

Em setembro de 2013, o Tribunal de Justiça ordenou sua reintegração a um serviço compatível, pagamento dos salários desde o acidente e uma pensão.

A Tenaris e a companhia de seguros decidiram recorrer da sentença para o Supremo Tribunal da Colômbia, o que garante um atraso na resolução do problema, provavelmente por anos.

Incapaz de suportar a situação, Rubén iniciou uma greve de fome, em fevereiro. Ficou sem comer por dias, até que teve de ser hospitalizado. Quando teve alta, a Tenaris e a companhia de seguros prometeram que seu caso seria reavaliado. Ele terminou a greve de fome com muita esperança.

Ainda quando se recuperava, foi informado que não teria direito a nada. Rubén não suportou a notícia e tentou suicídio.

Hoje, ele está hospitalizado em uma clínica psiquiátrica, mas a família não tem condições de pagar a conta.

Rubén na ambulância logo após tentar suicídio (Crédito: Divulgação)

Rubén na ambulância logo após tentar suicídio (Crédito: Divulgação)

 

Vamos ajudar o companheiro Rubén

O sindicato da categoria na Colômbia (Sintratucar) tem feito constantes protestos sobre o caso.

A IndustriAll (novo nome da FITIM) e a CNM-CUT também já se manifestaram contra a postura intransigente da Tenaris e têm convocado os sindicatos com trabalhadores na Tenaris na base a promover ações em apoio ao companheiro.

O sindicato da categoria na Itália já se manifestou a respeito.

Hoje cobramos que a Tenaris pague a conta da clínica psiquiátrica, pague os salários atrasados e o reintegre Rubén em uma função compatível a seu estado de saúde, e que a companhia de seguros pague uma pensão ao metalúrgico.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT registra aqui o seu protesto e também chama todos os trabalhadores que têm estabilidade de emprego para que participem do abaixo-assinado on-line que está sendo feito pela IndustriAll para pressionar a direção da Tenaris.

Acesse aqui o link para assinar a petição.

O site é feito em inglês, espanhol e francês. Você vai encontrar a seguinte página. Basta colocar seu nome e e-mail e clicar em enviar.

Imagem Petição Rubén Montoya