Após ameaça de greve, Incomisa segue reajuste de salário da Convenção Coletiva

Trabalhadores aprovam proposta de salário, que contempla todos os funcionários, independente do tempo de casa

Trabalhadores aprovam proposta de salário, que contempla todos os funcionários, independente do tempo de casa

Os trabalhadores da Incomisa aprovaram em assembleia nessa terça-feira, dia 10, a proposta da Campanha Salarial, que seguirá a CCT (Convenção Coletiva de Trabalho).

No dia 28 de outubro, a categoria fez uma paralisação, reprovou a proposta da empresa de trocar o reajuste salarial por abono e aprovou a entrega de um comunicado de greve.

Após o protesto, o reajuste na Incomisa seguirá o que foi negociado entre a FEM-CUT/SP (Federação dos Sindicatos Metalúrgicos da CUT) e a bancada patronal, com a reposição da inflação. A proposta chega a ser um pouco melhor, pois aplica o reajuste independente do tempo de casa do funcionário, que normalmente seguiria uma tabela escalonada.

Segundo André Dantis, dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT, apesar do acordo de salário, a negociação continua com relação à PLR (Participação nos Lucros e Resultados).

“Se a produção estivesse tão ruim como a fábrica diz, a votação de uma ameaça de greve não teria sido praticamente unanimidade. Parabéns aos companheiros pela conquista. Vamos manter essa união para continuar avançando”, disse.

A Incomisa emprega cerca de 350 funcionários na construção de estruturas metálicas no bairro do Feital.